The Rational Male – Hipergamia não se importa…

Hipergamia não se importa quão excelente Pai você é para seus filhos.

Hipergamia não se importa como você rearranjou sua graduação e sua escolha de carreira na vida para melhor acomodá-la.

Hipergamia não se importa quão inspirado ou completo você se sente como um pai que fica em casa.

Hipergamia não se importa que você atravessou 4 estados para ficar mais perto do seu RLD (relacionamento de longa distância).

Hipergamia não se importa quão ‘apoiador’ você sempre foi nas decisões dela ou se você se identifica como um ‘feminista masculino’.

Hipergamia não se importa com a sinceridade das suas convicções religiosas ou aspirações de grandioso propósito.

Hipergamia não se importa com aquelas palavras que você disse em seu casamento.

Hipergamia não se importa com a ajuda que você deu a ela para voltar a faculdade e conseguir uma carreira melhor.

Hipergamia não se importa quão cara legal você é por adotar os filhos que ela teve com outros homens.

Hipergamia não se importa com sua natureza divina em perdoá-la pelas “indiscrições na juventude dela”.

Hipergamia não se importa com sua magnanimidade em assumir responsabilidade pelo empréstimo estudantil e débito do cartão de crédito dela depois de casados.

Hipergamia não se importa que “ele era seu melhor amigo”.

Hipergamia não se importa com o café na cama que você leva a ela ou quão bom cozinheiro você é.

Hipergamia não se importa com todos os filmes românticos que você assistiu com ela e disse que gostava.

Hipergamia não se importa quão bem você faz sua parte nas tarefas domésticas.

Hipergamia não se importa com o tanto que a família ou os amigos dela gostam de você.

Hipergamia não se importa que você acha que você é uma “pessoa boa” ou quão convincente seu argumento é sobre o seu senso de honra.

Hipergamia não se importa se os filhos são seus ou não.

Hipergamia não se importa se “ela estava bêbada, ele era bonito, e uma coisa leva a outra”.

Hipergamia não se importa quão doce, divertido ou intelectual você é.

Hipergamia não se importa “se você nunca percebeu o que estava vindo”.

E por você mesmo, tenho certeza que há mais …
Artigo original: https://therationalmale.com/2012/05/16/hypergamy-doesnt-care/

Anúncios

The Rational Male – O meio é a mensagem

Eu odeio o termo “Sinais Conflitantes” ou “Mensagens Conflitantes”. “Não sei cara, ela está enviando mensagens conflitantes” é uma expressão comum de muitos homens presos pela pílula azul.

Muito frequentemente não há nada de “Conflitante” sendo comunicado, mas sim uma falha (intencional ou não) na leitura do que a mulher está comunicando ao homem. O homem médio tende a “obter” exatamente o que uma mulher sugeriu com suas palavras, mas é preciso prática para ler o comportamento dela e mais prática ainda no autocontrole para aplicar isto em sua própria interpretação.

Quando uma mulher vai do céu ao inferno e volta ao normal, ESTA É A MENSAGEM – ela tem aquele remorso do comprador, você não é a primeira prioridade dela, ela está deliberando entre você e o que ela entende ser um prospecto melhor em relação à hipergamia, você era mais bonito quando ela estava bêbada, etc. – a mensagem não é o “e se”, a mensagem É a sua própria hesitação e como o comportamento dela se manifesta. 10 encontros antes do sexo? Está É a mensagem. Cancelando encontros? Hesitando? De interesse forte a interesse fraco? Está É a mensagem.

Mulheres com um alto nível de interesse não te deixam confuso. Quando uma mulher quer transar com você ela encontrará um jeito de transar com você. Se ela está flutuando entre estar na sua e não estar, coloque ela de lado por um tempo e “gire outros pratos” (N. do T.: girar pratos aqui se refere à prática de paquerar outras mulheres, deixando elas preparadas para um possível encontro, em breve traduzirei uma série de artigos sobre essa técnica). Se ela se tocar e for atrás de você, então você ainda está jogando no seu “quadro” (N. do T.: quadro (frame) se refere a quando você está dando as cartas do processo de sedução; se você estiver no quadro dela, ela é que tem o controle da situação) e você mantém o valor da sua atenção a ela. Quando você passa muito tempo se preocupando como trazer ela de volta é que você cai no quadro dela. Você nesse caso precisaria mais dela do que ela de você e com isso ela ditará os termos da atenção dela.

O que muitos caras chamam de “mensagens misturadas” ou comportamentos confusos vindos de uma mulher é simplesmente o caso da inabilidade (ou recusa) deles em fazer uma interpretação mais precisa do porque ela estar se comportando daquela maneira. Normalmente isto se refere a um cara tão enrolado em uma garota que ele prefere fazer concessões devido ao comportamento dela do que ver de verdade o que aquilo é. Em outras palavras, é mais fácil chamar de “mensagens misturadas” ou dizer aquela velha história de como as mulheres são instáveis e bipolares, quando na verdade aquilo nada mais é do que simplesmente uma racionalização para mantê-los presos, por assim dizer, porque falta a eles reais e viáveis opções com outras mulheres em suas vidas. Uma mulher com um alto nível de interesse em um cara não tem necessidade (e pouca motivação) de se empenhar em comportamentos que comprometeriam o seu status com ele. Mulheres com alto nível de interesse testarão a condição do homem (shit test), e os homens passarão ou falharão dependendo da ocasião, mas um teste é mais facilmente reconhecido quando você considera o contexto em que ele foi apresentado.

Costumeiramente mulheres dizem toda a verdade com seus maneirismos e comportamentos, elas apenas comunicam isto de uma forma que os homens não conseguem ou não tentam entender. Como um behaviorista, eu acredito profundamente na linha psicológica que o único jeito de determinar motivação e/ou intenção genuína é observando o comportamento de um indivíduo. Tudo que tem que ser feito é se comparar o comportamento com o resultado obtido para correlacionar com a intenção.

Uma mulher comunicará uma riqueza enorme de informações e verdades para um homem apenas se ele estiver disposto a aceitar o comportamento dela, não exclusivamente suas palavras, como referência. Ele também deve entender que a verdade que ela revela com seu comportamento, frequentemente não é o que ele quer aceitar.

Nós ficamos frustrados porque as mulheres se comunicam diferente de nós. Mulheres comunicam de forma dissimulada, homens comunicam de forma aberta. Homens transmitem informação, mulheres transmitem sentimentos. Homens priorizam conteúdo e informação, mulheres priorizam contexto e sentimento quando eles se comunicam. Um dos grandes obscurecimentos promovidos pela feminilização no último quarto de século é esta expectativa de que mulheres são tão racionais e inclinadas a solução analítica de um problema quanto os homens. É o resultado de uma mentalidade igualitária que guia de forma equivocada os homens a acreditarem que as mulheres se comunicam de forma semelhante aos homens. Não desmerecendo as mulheres que aprendem a ser resolvedoras de problemas por conta própria, mas isto mostra como as mulheres utilizam uma forma de comunicação especificamente feminina. Estudo após estudo científico tem ilustrado a capacidade natural que as mulheres têm em uma forma excepcionalmente complexa de comunicação (ao ponto de se provar que seus caminhos neuronais são diferentes) são orgulhosamente propagadas por uma mídia feminilizada como prova dos méritos inatos das mulheres. Ainda assim como homens, nós somos levados a aceitar que ela “quis dizer o que ela disse, e ela disse o que ela quis dizer”.

Várias mulheres gostam de usar isto como um distintivo representando algum tipo de superioridade, entretanto não necessariamente significa que o que elas querem comunicar é mais importante, ou como elas comunicam seria mais eficiente, mas apenas que elas tem uma capacidade maior de entender nuances da comunicação melhor do que os homens. Uma das ilustrações mais fáceis de observar desta diferença é observar os métodos de comunicação utilizados por mulheres “fortes” que a mídia destaca popularmente nos dias de hoje. Como nós sabemos que elas são mulheres fortes? O primeiro palpite é que ela se comunica de forma aberta, centrada na informação, como os homens fazem.

Você não precisa ser psíquico para entender a comunicação dissimulada das mulheres, você precisa ser observador. Isto normalmente requer a paciência que a maioria dos homens não tem, então eles as chamam de dissimuladas, inconstantes ou coniventes se qualquer desses nomes servir. Mesmo para os homens que são bons observadores, e tomam as notas mentais necessárias para realmente ver o que acontece ao seu redor, isto parece muito ineficiente e irracional. E por que não seria? Nós somos homens. Nossa comunicação é (geralmente) baseada em informação, dedutiva e racional, esta é a comunicação aberta dos homens. Seco, direto ao ponto, resolvemos um problema e partimos para o próximo. Comunicação feminina parece insano, é uma forma de comunicação altamente disfuncional …, sendo mais específico, é uma forma de comunicação infantil. Isto é o que crianças fazem! Eles dizem uma coisa e fazem outra, elas fazem birra. Elas reagem emocionalmente a tudo. Sim, elas fazem isso. E mais do que isso, elas conseguem o que elas realmente querem – atenção. Mulheres são loucas, mas é uma loucura calculada.

A comunicação dissimulada nos frustra tanto quanto a comunicação aberta frustra as mulheres. Nossa linguagem para elas não tem arte, por isso nós parecemos tolos ou simplórios para as mulheres. Nós filtramos as informações que estamos trabalhando, não nos atemos ao mais súbito detalhe que é o que torna a comunicação para as mulheres apreciável. Esta é a mesma razão que faz que com que achemos a comunicação feminina ofuscante, confusa, ou sem razão. A diferença é que nossa confusão e frustração é utilizada por elas. Enquanto as mulheres permanecerem desconhecidas, ofuscantes, criaturas irracionais que os homens não tem esperança de entender (mas que eles sempre perdoam), elas podem operar sem obstáculos em busca de seus objetivos. “Garoto tolo, você nunca entenderá as mulheres, apenas desista” é exatamente o modus operandi. Uma vez que você aceita isso, ela terá ganho um suprimento eterno da carta “saída livre da prisão” (N. do T.: carta dos jogos de tabuleiro Monopoly e Banco Imobiliário). O mito do ‘misticismo feminino’ e a prerrogativa da mulher (de mudar o que pensa) é inteiramente dependente desta comunicação dissimulada.

Agora como homens nós vamos dizer, “mulher maldosa, imoral e manipuladora! Tome tenência e faça a coisa certa, dizer uma coisa e fazer outra faz de você uma hipócrita!” e claro que esta é a nossa natureza abertamente racional se fazendo ser ouvida e expondo a comunicação dissimulada da mulher. Um apelo à moralidade, que irá tocá-la, mas ….. na verdade não.

Isto é porque mulheres instintivamente sabem que sua sexualidade é sua primeira e melhor ferramenta, e a comunicação dissimulada é o melhor método de utilizá-la. Apelos à moralidade apenas funcionam a favor delas, por que tudo que ela tem que fazer é concordar com a afirmação aberta do homem e de repente ele acha que ele está conseguindo o que quer dela. Como homens, nós nos tornamos tão condicionados pelo misticismo feminino a esperar que as mulheres sejam dúbias conosco que quando elas de repente usam formas de comunicação masculinas, uma comunicação aberta e ainda concordando com a gente, chega a parecer que ela teve uma epifania, ou um momento de clareza. “Opa, essa é realmente especial, ‘alta qualidade’, e parece entender as coisas”. É assim, enquanto for favorável às condições dela. Quando deixa de ser, o misticismo feminino estará lá para explicar tudo.

Você já esteve em um evento social, talvez uma festa ou coisa parecida, com uma namorada ou outra mulher que você estivesse saindo e de repente do nada ela diz no seu ouvido “olha só, você viu que olhada feia que ela biscate me deu?!” Você estava bem ali com ela, viu a garota de quem ela estava falando, e mesmo assim não notou nada. A preferência natural das mulheres pela comunicação dissimulada é reconhecível bem cedo, tipo com uns cinco anos de idade. Elas preferem lutar no psicológico, enquanto os garotos preferem lutar no físico.

Dentro do seu próprio grupo, garotinhas brigam por dominação com a ameaça de se exilarem do grupo. “Eu não serei mais sua amiga se …” é a mesma ameaça para uma garota que “eu vou socar a sua cara se …” é para um garoto. Esta dinâmica se torna muito mais complexa quando as garotas entram na puberdade, adolescência ou idade adulta, e ainda assim elas utilizam o mesmo método de combate psicológico como adultas. Elas se comunicam de modo dissimulado usando insinuação, linguagem corporal, aparência, sub-comunicação, gestos, etc. transmitindo muito mais informação do que o nosso modo de comunicação aberto é capaz. Pode até parecer mais eficiente para nós homens, mas nosso método não satisfaz ao mesmo propósito.

Mulheres aproveitam a comunicação mais do que a informação sendo transferida. Não é um problema a ser resolvido, é a comunicação que é primária. Quando um otário dá a ela tudo de uma vez, nós pensamos, pronto o mistério se foi, ele não é mais um desafio, por que ela estaria interessada? Isto é verdade, mas a razão para que isso se vá é que não há mais potencial para estimular aquela necessidade de comunicação na cabeça dela. Muitos homens caem na mentira de que uma ‘comunicação aberta’ com um ‘despejo de informação’ é a chave para um bom relacionamento, acreditando que suas esposas e namoradas gostarão disso. E fazendo isso o homem nega à sua mulher a satisfação de utilizar a comunicação para extrair as informações.

Nada satisfaz mais uma mulher do que ela acreditar que ela destrinchou o homem usando a sua ‘intuição feminina’. Esta intuição é, na verdade, apenas um nome dado à forma preferida de comunicação dela.

Por fim, eu devo apontar que as mulheres não saem por cima quando usam uma comunicação aberta para atingir seus propósitos. Quando uma mulher diz alguma coisa dessa forma é para não deixar margem para má interpretação, você pode apostar que ela está sendo forçada àquele ponto por medo ou irritação quando seus métodos dissimulados não estiverem funcionando.

“Não podemos ser apenas amigos?” é uma rejeição dissimulada, “Saia daqui seu anormal!!” é uma rejeição aberta. Quando uma mulher opta pela aberta, tenha certeza, ela está sem ideias dissimuladas e sabe que ela tem que usar a forma de comunicação dos homens. Este é um exemplo fácil disso, pois quando uma mulher chora, grita com você, ou te dá um ultimato ela está auto-reconhecendo que ela não tem mais o que fazer a não ser utilizar o modo de comunicação aberta.

Da mesma forma, homens podem e devem dominar a arte da comunicação dissimulada também. Grandes políticos, generais militares, homens de negócio, vendedores, e é claro, artistas da sedução, todos utilizam da comunicação dissimulada para atingir seus objetivos. É incorreto pensar na comunicação dissimulada como inerentemente desonesta ou amoral, ou mesmo pensar nela num contexto moral. É um meio para um fim, assim como a comunicação aberta também o é, e este fim definido pelo homem ou pela mulher é que é ético ou não. O meio é a mensagem.

Artigo original: https://therationalmale.com/2011/09/06/the-medium-is-the-message/

Mario Favela – Nunca se confidencie com ela

Hoje discutirei uma forma poderosa de rapidamente melhorar seus relacionamentos com mulheres.

Esta dica é simples, fácil de aprender, e virá naturalmente para a maioria dos homens.

É um pilar do jogo – uma forma fundamental de fortalecer sua mão dentro dos relacionamentos.

Qual é esta mágica?

Bem, você leu o título …

Mas é importante, então eu direi novamente.

Nunca se confidencie com ela.

Isto mesmo.

Você não deveria dizer às suas garotas nada importante.

Nunca.

É claro que conversar é vital durante a fase de sedução.

Na primeira vez que você a encontrar, você obviamente vai precisar conversar.

Algumas vezes bastante.

Comunicação, incluindo fala, é como você se vende nestes primeiros encontros.

Você tem que “cuspir o jogo”.

Naturalmente, as vezes, você deve pegar leve nos assuntos dos primeiros encontros, e evitar falar demais sobre você mesmo.

De qualquer forma, as coisas mudam depois que vocês transam.

Você muda da fase de sedução para a fase de relacionamento.

Agora, a maneira que você se comunica com ela deve mudar.

Mas esta parte do relacionamento é uma área cinzenta, uma área de fraqueza em potencial.

Isto acontece porque muitos caras acabam confiando demais em suas mulheres – só porque eles transaram.

E isso leva a eles a se tornarem confortáveis, e a falarem demais.

Este é um erro enorme.

Dizer a ela demais irá certamente danificar o seu relacionamento, e isto deve ser evitado a todo custo.

Domine a arte do silêncio no relacionamento

Fique quieto.

Nunca diga sobre seus planos, objetivos, ou segredos.

Mantenha seus sonhos, esperanças, aspirações, medos e ansiedades apenas com você.

Nunca mostre a ela sua situação financeira.

E não discuta sobre negócios comerciais, ou qualquer coisa que poderia dar a ela indicações sobre estas coisas.

Este código de silêncio servirá para diversos propósitos.

Primeiro, manterá sua aparência de altamente misterioso.

Seu silêncio a mantém curiosa e tira o equilíbrio dela.

E este desconforto é uma coisa boa para o relacionamento.

Garotas amam tentar desmistificar os seus homens – dê a ela o presente do mistério.

E há outra razão para se manter quieto:

Dizendo a ela seus objetivos não ajudará você a consegui-los.

É improvável que ela irá te ajudar.

Pior cenário?

Ela poderia te machucar e conspirar contra você.

Mas o mais comum seria ela não te dar nenhum apoio dada a natureza feminina dela.

Mulheres em geral não assumem riscos.

E esta aversão ao risco leva a um tipo de negatividade padrão.

Com certeza elas gostam de resultado, a recompensa do risco assumido.

Mas elas realmente não querem ver o processo, mesmo elas fazendo de conta que se importam.

E se ela pressionar você?

Bem se você precisa falar, é melhor não falar de coisas até DEPOIS que você já as tenha feito.

Tudo bem discutir sobre realizações do passado, desde que ela não possa influenciar estes eventos.

Se ela ficar te azucrinando apenas diga a ela:

“Eu falo sobre coisas depois que eu as terminei, não antes.”

E deixe assim.

Sim, se sentir excitado sobre a vida é natural.

É humano querer discutir ideias e planos.

Ela é sua amante, não sua amiga

Então, trate-a como tal.

E se você realmente precisar se confidenciar com alguém?

Fale com seus amigos homens ou mentores.

Ou se você precisar de uma visão feminina, tente mulheres da sua família que você tenha um contato mais próximo, se tiver.

Mas e a minha garota?

Fique quieto.

Não há praticamente nenhuma desvantagem no silêncio masculino em um relacionamento…

Não se confidencie com ela.

Você deixará seu jogo mais denso, manterá um ar de mistério, “E” terá ela atraída por você por um tempo mais longo.

Artigo original: http://mariofavela.com/never-confide-in-her/

Um eletrodoméstico essencial para o homem: lava-louças

Reafirmo, a lava-louças é um eletrodoméstico essencial na vida de um homem.

Tudo começou com um vídeo do Mário Sérgio Cortella onde ele trata sobre o índice de vendas de máquinas de lavar louça com a escolaridade da população.

Esse vídeo me deixou intrigado, principalmente porque eu nunca tinha pensado por esse viés que como ele diz, as sociedades também são avaliadas por aquilo que elas não tem.

Como eu não tenho empregada, a louça suja da minha casa eu tenho que lavar, e assim, fui pesquisar mais sobre o assunto.

Segundo algumas estatísticas, uma pessoa pode gastar 300 horas por ano apenas lavando louça, e isso é tempo demais.

Resolvi que eu deveria adquirir uma lava-louças e ver se esse equipamento funciona tão bem assim. Um dos artigos que mais me ajudou foi esse abaixo do site Casal Recomenda:

A melhor lava-louças para se comprar em 2017!

Vi também alguns vídeos no YouTube, avaliei a quantidade de reclamações sobre defeitos nos equipamentos e acabei por escolher a LI10B de 10 serviços da Electrolux.

Como faz pouco tempo, estou ainda avaliando a qualidade da limpeza, entretanto, já faz dois meses que não sei o que é lavar um copo, um prato, talheres e até algumas panelas.

Resumo da história, meu tempo na cozinha diminuiu drasticamente. Tiro a sujeira dos pratos, coloco na lavadora, deixo ela trabalhar e vou fazer outra coisa da minha vida.

Se você preza seu tempo esse é realmente um tipo de aquisição que você deveria avaliar.

THE RATIONAL MALE: A DINÂMICA DO DESEJO

Você não pode negociar o Desejo.

Este é um princípio muito básico que a maioria dos Homens e deliberadamente a maior parte das mulheres tem ignorância. Pelos últimos 10 anos um dos questionamentos mais comuns que eu tenho recebido sobre problemas pessoais é alguma variação de “como eu consigo ela de volta?” Normalmente isto vem de homens procurando alguma metodologia para fazer com que o seu relacionamento volte a um estado anterior onde uma mulher anteriormente apaixonada não conseguia ficar com suas mãos longe dele. Seis meses em uma confortável familiaridade e a emoção já era, mas na verdade o que já era é o desejo genuíno que se foi.

Normalmente é neste estágio que um homem irá recorrer à negociação. Algumas vezes isto pode ser tão súbito quanto ele progressivamente começa a fazer coisas para ela na esperança que ela será recíproca com o mesmo fervor sexual que eles costumavam ter. Outras vezes um casal poderia ir a um aconselhamento matrimonial para “resolver seus problemas sexuais” e negociar termos para a complacência sexual dela. Ele irá prometer lavar as louças e levar a roupa suja com mais frequência em troca pelo interesse sexual fingido dela por ele. Mesmo assim, não importa quais os termos oferecidos, não importa o quão grande é o esforço externo que ele faça merecendo a recompensa, o desejo genuíno dela não está lá. Na verdade, ela se sente pior por não ter o desejo depois que tais esforços foram realizados pela complacência dela.

Desejo negociado leva sempre apenas à complacência obrigada.

Isto é o porque a resposta sexual dela pós-negociação é geralmente tão sem brilho e fonte de uma frustração ainda maior da parte dele. Ela pode estar sexualmente mais disponível para ele, mas essa experiência sem coração nunca será mais a mesma de quando eles primeiro se encontraram e não havia negociação, apenas o desejo espontâneo de um pelo outro.

De uma perspectiva masculina, e particularmente de um macho beta inexperiente, negociação de desejo parece uma solução racional para o problema. Homens tendem a contar com com um raciocínio dedutivo; de outra forma também conhecido como fluxo de lógico “se então”. O código é normalmente algo como:

Eu preciso de sexo + mulheres tem o sexo que quero + pergunte as mulheres quais as condições para o sexo + cumprir os pré-requisitos para o sexo = o sexo que eu quero.

Faz sentido certo? É a simples ciência da dedução, mas construída sobre uma fundação que depende das autoavaliações de uma mulher. O desejo genuíno que eles antigamente experimentaram no início de seu relacionamento foi diminuindo por uma série totalmente desconhecida de variáveis. Evidentemente deixando claro que o desejo por desejo recíproco cria uma obrigação, e algumas vezes até um ultimato. Desejo genuíno é uma coisa que uma pessoa deve ter – ou ser levada a ter – por sua própria vontade. Você pode forçar uma mulher através de ameaça a concordar em se comportar de uma forma desejada, mas você não pode fazer ela querer se comportar daquela maneira. Uma prostituta irá trepar com você por um valor, mas isso não quer dizer que ela queira isso.

Seja em um RLP (relacionamento de longo prazo) ou o de uma única noite (RUN) empenhe-se pelo desejo genuíno em seus relacionamentos. Metade da batalha é saber que você quer estar com uma mulher que quer te agradar, não uma que se sente obrigada a isso. Você nunca conseguirá este desejo genuíno dela por meios óbvios, mas você pode secretamente levá-la a este desejo genuíno. O truque para provocar desejo real é mantê-la ignorante de suas intenções em provocá-lo. O desejo real é criado quando ela pensa que é algo que ela quer, não algo que ela tem que fazer.

Artigo original: https://therationalmale.com/2011/08/25/the-desire-dynamic/

The Rational Male – A Regra Fundamental Dos Relacionamentos

Em qualquer relacionamento, a pessoa com mais poder é aquela que precisa menos da outra.

Este é o fundamento de qualquer relacionamento, não apenas os intersexuais, mas relacionamento com a família, nos negócios, etc. É uma dinâmica que está sempre em efeito. Para o meu bem-estar e o da minha família, eu preciso mais do meu patrão do que ele precisa de mim, quero dizer que eu levanto cedo para ir ao trabalho e trabalhar para ele. E enquanto eu sou uma parte vital para a continuidade ininterrupta da sua empresa e empreendimentos, ele simplesmente precisa menos de mim do que eu preciso dele. Eu poderia ganhar na loteria amanhã ou ele poderia decidir cortar meu pagamento ou limitar meus benefícios, ou eu poderia terminar meu mestrado e decidir que eu posso procurar algo melhor do que me manter amarrado a ele indefinidamente, assim, através de alguma condição iniciada por mim ou não, sou colocado em uma posição em que eu preciso menos dele do que ele precisa de mim. A partir deste ponto ele é forçosamente colocado em uma posição em que tem que decidir o quanto eu valho para suas ambições e dessa forma romper comigo ou negociar uma continuação do nosso relacionamento.

O mesmo é verdadeiro para relacionamentos intersexuais. Mesmo se você quer basear seu relacionamento em ‘poder’ ou não, não vem ao caso; isto já está em andamento desde o primeiro sinal de atração. Para ela você é aceitável se preencher um certo número de critérios e o inverso também é verdadeiro. Se não fosse assim você simplesmente não teria um relacionamento com reciprocidade. Esta é a primeira comparação que nós fazemos com outro indivíduo – chame isto de ‘dimensionamento’ se você preferir – mas nós realizamos comparações inatas (e frequentemente inconscientes) sobre tudo e no caso da atração inicial nós decidimos se a outra pessoa é aceitável para compartilhar da nossa intimidade. A partir deste ponto isto se torna uma negociação cooperativa.

Este princípio não é tanto sobre ‘poder’ quanto é sobre controle. Isto pode soar como semântica, mas faz diferença. É muito fácil cair em argumentos binários e pensar que o que eu quero dizer como regra fundamental dos relacionamentos é que um participante deve absolutamente dominar o outro – um dominador para um capacho submisso. Controle em um relacionamento saudável se passa como desejo e necessidades ditadas por cada parceiro. Em um relacionamento não saudável você tem uma manipulação desbalanceada deste controle por um dos parceiros. Mesmo se pensar que o controle nunca está completamente balanceado, ele se torna manipulação quando um parceiro, em essência, chantageia o outro com o que seria de outra forma apenas um reforço para o manipulado em uma circunstância saudável. Isto acontece por uma infinidade de razões diferentes, mas esta condição vem de duas formas – o participante submisso se torna condicionado a permitir que a manipulação ocorra e/ou o dominador inicia a manipulação. Em ambos os casos a regra ainda é verdadeira – aquele que precisa menos do outro tem mais controle. Em nenhum lugar isto é mais evidente do que em relacionamentos interpessoais.

Muitas pessoas que eu aconselho e leem meus posts (aqui e em outros lugares) assumem que esta regra significa que eu estou defendendo a manutenção da posição de dominância às custas de seus parceiros; muito longe disto. Eu entretanto defendo que as pessoas – homens jovens em particular – desenvolvam um melhor senso de autoestima e um entendimento melhor da verdadeira eficácia deles em seus relacionamentos (assumindo que você decida se envolver em um). Não me leve a mal, ambos os sexos são culpados de manipulação; Mulheres espancadas voltam para seus abusadores namorados/maridos e homens que tomaram chá de buceta comprometem a si mesmos e suas ambições para melhor servir as inseguranças de suas namoradas. Minha intenção em divulgar esta regra é abrir os olhos de homens que já estão predispostos a desvalorizarem a si mesmos colocando as mulheres como o objetivo da vida deles em vez de se verem como o PRÊMIO a ser alcançado. Compromisso sempre será parte de qualquer relacionamento, mas a chave é perceber quando este compromisso se torna o resultado de manipulação, ao ponto de se desenvolver a confiança para não se comprometer nestas situações. Aqui é onde um forte entendimento da regra fundamental dos relacionamentos se torna essencial.

Não há nada de errado em voltar atrás em uma discussão que você teve com a sua namorada, entretanto há alguma coisa errada quando você continuamente se compromete em ordem de ‘manter a paz’ achando que ela “recusará intimidades” devido a você manter sua posição. Este é um jogo de poder, também conhecido como ‘sh!t test’1. Ela assim inicia se tornando o lado controlador. Nenhuma intimidade com a mulher (quero dizer, sexo) vale este comprometimento porque fazendo isto você desvaloriza seu próprio valor para ela. Uma vez que este precedente é definido, ela irá progressivamente ter menos respeito por você – exatamente o oposto da ideia popular de que ela apreciará o seu comprometimento com ela e o irá recompensar por isto. E falando sério, você está se comprometendo para conseguir o quê? Tome como certo, intimidade com ela. Este não é um desejo genuíno ou um interesse real dela em você, é um teste psicológico sutil (que homens demais não estão cientes) com o objetivo de determinar quem precisa mais do outro. Não há nada que dê mais superautoconfiança para um homem do que o entendimento que ele não comprometerá a si mesmo em manipulações de uma mulher, e nada mais engrandecedor do que se afastar sabendo que ele pode e irá encontrar uma pretendente melhor do que ela. Este é o homem que passa o ‘sh!t test’. E isto é chamado de ‘interesse próprio esclarecido’, é um princípio que eu endosso totalmente.

Artigo original: https://therationalmale.com/2011/08/19/the-cardinal-rule-of-relationships/


1. N. do T.: ‘sh1t test’ ou ‘shit test’ é uma espécie de teste de congruência que uma mulher faz com um homem dizendo ou fazendo alguma coisa para julgar a reação ou resposta dele. É meio que um mecanismo inerente às mulheres, elas chegam a realizá-lo de forma automática. Veja o artigo Citizen Renegade: Vencendo Shit Tests – Concorde & Amplifique para exemplos e formas que podem ser usadas para vencê-los.

Primeiro mês positivo no Day Trade

Comecei a estudar operações de Day Trade1 no final de 2016, em outubro para ser mais preciso. Depois de passar três meses operando em conta demo passei para a conta real, e assim se passaram cinco meses terminando com saldo negativo. Até que neste mês de junho as coisas foram diferentes.

Dizem que um treinamento efetivo para operar Day Trade leva pelo menos três ou quatro anos, e por tudo que eu vi até agora coloco isso como uma verdade. Por isso encaro os custos e perdas mensais das operações como a mensalidade de um curso superior.

No começo passei por aquela mesma euforia que todo mundo que se inicia em operações de curto prazo na Bolsa passa. Mas logo se percebe que o buraco é bem mais embaixo. Não é a toa que nas salas de bate papo de operações das corretoras você encontra gente experiente agradecendo pela visão de mercado que muitas vezes o corretor tem e ao mesmo tempo gente xingando, dizendo que quebrou, que operar isso é igual loteria.

Todo professor, corretor e operador experiente diz, o iniciante deve focar seu aprendizado principalmente em psicologia de mercado. O cara tem que traçar uma estratégia consistente, utilizar stop loss2 no local correto, alavancar no momento certo e depois ter sangue frio para suportar os movimentos do preço até que os ganhos ocorram mais do que as perdas. Assim é como tudo na vida, seja em relacionamentos ou em busca de uma colocação profissional melhor, temos que trabalhar duro seguindo um plano adequado.

Não estou dizendo que já sou um vencedor na bolsa, muito pelo contrário, tenho pouquíssimo tempo de tela. Vou perder dinheiro ainda até aprender de verdade. O que manda é eu limitar meu capital e a quantidade de perda permitida no mês justamente para não quebrar.

Contudo, o fato de chegar ao final do mês com a soma das operações no positivo é um baita de um estímulo para estudar mais.


1. Day Trade são operações na Bolsa de Valores que são iniciadas e encerradas no mesmo dia no mercado de ações, opções ou contratos (compra e venda ou venda e compra).

2. Uma ordem stop loss é uma ordem enviada à corretora indicando sua intenção de interromper a perda (loss) em uma posição que esteja aberta.